Internet Afasta ou Aproxima Pessoas? Tire suas Duvidas

Tudo Sobre Internet Afasta ou Aproxima Pessoas

AFINAL A INTERNET AFASTA OU APROXIMA AS PESSOAS?

A internet é um recurso muito atual e utilizado por toda a nova geração.

Mas será que a internet nos faz bem? Qual limite devemos ter? O exagero pode causar

doenças? Saiba tudo sobre a internet nos relacionamentos interpessoais

# Logo Abaixo você Tira Suas Dúvidas tais como:

– Uso excessivo da internet e suas consequências

– Quanto tempo posso ficar no celular?

– A internet aproxima ou afasta as pessoas?

– Redes sociais aproximam as pessoas porque?

– Internet causa depressão?

– Internet causa ansiedade?

– Internet causa dependência?

→ PARE O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO AGORA!

→ O Momento é Esse! Comece Escolhendo Uma Alternativa Correta para você


 

 

Até que ponto a internet é saudável e a partir de quando ela se torna prejudicial. No mundo de hoje, com tantas facilidades, tecnologia e redes sociais, as pessoas estão se distanciando cada vez mais uma das outras. Isso é mito ou verdade?

A era virtual navega entre fronteiras, viaja na sociedade do espetáculo, desbrava territórios que eram desconhecidos, funda novos meios de comunicação e ancora-se na procura da realização de desejos.

Internet Afasta ou Aproxima Pessoas?

>> Recomendamos Para Você:

A internet aproxima ou afasta as pessoas? – Assista ao video abaixo:

Ao mesmo tempo em que o virtual aproxima quem até então quase não se falava, insere as pessoas em um círculo social, abre novas portas e resgata contatos antigos, ele também afasta a sociedade das relações verdadeiras, excluindo o contato físico dos relacionamentos.

Afinal, na virtualidade não se fala, se manda um Whatsapp; não se faz debates e nem há conversas sobre temas que estão em alta, há posts no Facebook; não se faz mais visitas, apenas se vê os amigos e parentes por meio de fotos postadas no Instagram; não se indica músicas, você apenas as coloca no Spotify.

Não é importante ir a algum lugar pelo prazer que ele te oferece, mas sim pela chance de check-in no Foursquare; não há a espera pelo acaso que pode colocar alguém diante de nós no lugar mais inusitado, procura-se o Tinder; ou seja, não se ama, se programa.

Este mundo virtual em que a sociedade contemporânea finca seus pés é um meio de falsa realização de desejos, de maneira que se tenta trazer para o plano virtual o que é impossível de ser conquistado no mundo real.

“A felicidade constante, os inúmeros amigos e a permissividade sem limites só “existe” e pode ser materializada através das redes sociais que tentam preencher um mundo cheio de vazio”, afirma Lourdes de Paula Gomes, a psicóloga e diretora da FACIS (Faculdade de Ciências da Saúde de São Paulo).

É na busca por preencher o vazio estrutural que carregamos conosco desde sempre, que nos apoiamos no olhar do outro, de maneira em que a aprovação deste é mais importante do que a nossa.

E hoje, essa avaliação do outro sobre nós é realizada através das redes sociais. “As pessoas consideram o virtual como termômetro do real, ou seja, são mais queridas de acordo com o número de amigos que têm no virtual, são mais “cool” se tiverem mais “curtidas” nas redes sociais etc.

Elas confundem os dois mundos, de forma que o virtual passa ser mais real que a realidade. Assim, é necessário observar se você está programando ou está sendo programado pelas redes sociais.

Verificar se elas que estão ditando as regras que devem ser seguidas na vida, pois do outro lado da tela há uma “patrulha” que controla e avalia a vida virtual que é a representação do sujeito, ou seja, aquilo que ele pretende ser”, complementa a psicóloga.

Dessa forma, as novas mídias sociais viraram um santuário narcísico, que tem em seus altares a vida debruçada para que os outros façam reverências. “Há uma super exposição da vida pessoal nas redes sociais que é fruto da confusão entre o público e o privado.

É preciso cuidado ao traçar os limites do que de fato deve ser exposto e também controlar as horas que se gastam nessas novas mídias, pois muitas vezes passa-se mais tempo nas redes do que na vida real”, finaliza Lourdes de Paula Gomes.

Artigo escrito pela Dra. Lourdes de Paula Gomes

  • Psicóloga – formada pela Faculdade Paulista de Ciências e Letras de São Paulo
  • Diretora da FACIS – Faculdade de Ciências da Saúde de São Paulo
  • Especialista em psicoterapia clínica em ludoterapia
  • Especialista em homeopatia
  • Supervisora de casos clínicos do curso de psicossomática
  • Professora do curso de extensão psico patológico no mito
  • Ex diretora do Centro Universitário Paulistano.

 

» » RECOMENDAMOS PARA VOCÊ

banner-perfume-loja

Recomendados Para Você: